Ora hoje são...

Este blog possui atualmente:
Comentários em Artigos!
Widget UsuárioCompulsivo

Pesquisar neste blogue

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Variações de um Rebelde #28 6º Sentido

Um moinho. Um espaço onde me inspirei. No solo enrugado e torto, num solo seco e mal semeado nascem blocos de granito com um tecto em cone de telhas de barro cor de laranja.Um grande tronco invadiu e atravessou este tecto e na sua ponta, quatro velas faziam deste moinho um templo do vento, onde o equilibrio e o repouso eram constantes...
Falésias. Escarpas enormes com um declive bastante acentuado, coloridas de malmequeres, caminhos encruzelhados e bastante dificeis de chegar à água. Contudo nada é impossível. O céu pintava as terras molhadas com a água de lama, e construia pequenos rios onde eu esbarrava a todo o momento.
Foi  ao agarrar aquela vela que senti que já andára nestas terras à muito século. Contudo continuava a derreter-me como a cera das velas, lentamente e bem quente...Daquele espaço saiu poesia e um sorriso esboçado ao som das vozes dos irrequietos bichos da madeira que consumiam mais um bocado da porta velha e já consumida. O frio já era algum, mas nada que não se aguenta-se. Foi um raio de luz no meio da escuridão.
Hoje a inspiração varia como os ventos, ora está Norte ora está Sul. Mas aquela imagem do velho pintado a aguarelas continuava a fitar-me o olhar como se me estivesse a ler por dentro.
Reluziu-me na cabeça os momentos felizes que tive sobre tempos de um rapaz meio perdido mas sempre orientado. Rapaz esse que partilhava Amor, ria de qualquer magia enlaçada no ar. Desde um rio à brincadeira do cão da vizinha.
No ar encontro pequenos padrões de tempo que me inspiram e me dão sede de viajar, viajar entre os meus pensamentos que se encontram espalhados no quarto.
Hoje sou aquilo que outrora sempre quis ser, e amanhã sei que o Mundo vai me deitar a língua de fora.
Azul , Verde, Castanho é as vestes do nosso Globo, e eu acredito que com mais harmonia e bons pensamentos o possamos meter mais, sim cada vez mais colorido e fascinante. 
Faço dos sons do Planeta as minhas palavras sábias, saber quando arrancar e ficar. Saber quando me esconder e quando respirar. Saber os perigos e os seus segredos. 
De ser Humano para ser Humano, a linguagem modifica mas eu não gosto de boas maneiras. Não gosto de rir quando a sociedade conspira, não gosto de vaidades, não gosto de boas maneiras nem de colarinhos brancos. Gosto de risos com chá verde e frutos vermelhos. Gosto de uma vela a derreter ao sabor de uma noite fria.
Quando a Virtude do Mundo, que ainda não descobri qual é, conspira aos meus ouvidos dá-me vontade de rir, pois alimenta-me de energia cósmica e faz-me fervilhar por dentro como se fosse rebentar. Hoje sou um vagabundo, silencioso com  olhar  castanho e com melodia variada.
Tenho razões para chorar e sonhar, pois há alguma coisa nesta terra de Gregos e Troianos que me rasga a cara de marfim branco, há uma combinação de tons e padrões de tambores que fazem o meu coração pulsar e saltar de tons ao som de pagodes. Subir nas alturas e grisar o meu corpo até à dor. Encher-me de Amor e amar-te a ti, a ti e a ti também, beber do Mundo o máximo de conhecimento e deitar-me como se nada soubesse, pois o Mundo gira e Tudo se mistura.
De pedra em pedra os gatos ao som da noite escura são pardos. Procuram o seu repouso enquanto perdem mais uma das suas sete vidas.

Vem da Baiha os Macumbeiros com as suas vestes e colares, rezando ao fogo e à Prosperidade. Pedem Felicidade enquanto os seus pés se bronzeiam à cor da fogueira.
Caminho nas pegadas do meu Pai, do vento fresco e do fogo que me arde na garganta, espero pelo devastar do meu corpo em poeiras, que a Terra irá consumir . 
Vivo num sonho e quando morrer acordo noutro lugar.... E na Meditação bebo a Paz...

6 comentários:

Sara Oliveira disse...

és um poeta :)
adoro!

Inês Coral disse...

Iúri como compreendo toda esta tua escrita! Já tive as mesmas visóes e os mesmos senimentos e pensamentos... partilho ctg esta visão da natureza.
E sinto saudade, muita saudade daquele local que me inspira do qual respirava a beleza, os sons, os cheiros...
Escrita de génio.
beijo*

Catarina disse...

caramba... tu transpiras alegria, poesia, tranquilidade! Tens jeito para isto, es um poeta da vida. Adoro a maneira como transmites os teus pensamentos. Paz e Harmonia no mundo é o que queremos.

Iúri Zúluri Revel Regueiro disse...

Obrigado Saritaaa

Iúri Zúluri Revel Regueiro disse...

ahaha

Ines linda, Génios são os outrros, eu so escrevo o que me dizem ao ouvido

Iúri Zúluri Revel Regueiro disse...

Eu tb quero isso catarina...brigada